Domingo, 22 de Abril de 2007

ENCONTRO DA “ MODA”

Encontro da “MODA”  VIDIGUEIRA – 4/11/04

 

Prezados Amigos


Começo por lamentar não poder estar presente neste Encontro da Moda, mas, apesar disso, pretendo vir, deste modo, dar o meu contributo para a reflexão que neste dia, aqui acontecerá, acerca do Cante e dos seus intérpretes maiores que são os Grupos Corais.

 


...IMPORTA TER CONSCIÊNCIA


E começamos por afirmar que antes de tudo, importa termos consciência de duas coisas:


- a) Que o cante é o nosso património mais valioso, um elemento aglutinador das espiritualidades alentejanas, uma verdadeira argamassa que nos liga a todos e cada um de nós, a um imaginário sócio cultural colectivo e, por essa via constituiu-se como um verdadeiro farol da nossa identidade.


-b) Que o cante como expressão viva da nossa cultura está em pleno processo de degradação, minguando de dia para dia o número dos seus intérpretes, esvaziando-se de força e de energia, já que os seus actuais baluartes que são em exclusivo – os Grupos Corais , há pelo menos três décadas que vêm envelhecendo sem que tenham logrado conseguir gerar dentro de si mesmos uma dinâmica de renovação.


…TEMOS DE SER REALISTAS


Face a este cenário, temos de ser realistas e não podemos tapar a cabeça com a manta!

Muito embora gostemos de nos animarmos a nós próprios, até porque negar a continuidade dos Grupos de que fazemos parte, seria aceitarmos antecipadamente a consciência da nossa própria morte, é forçoso que olhemos com realismo para o futuro, negando o fatalismo de vermos os Grupos caírem um a um como as folhas das árvores caem desamparadas no Outono.

A nossa capacidade de acomodação às circunstâncias é grande e por isso ainda vamos aguentando, apesar de tudo, o actual panorama sem grande sofrimento.

Mas se fizermos um esforço de concentração e nos distanciarmos, no tempo, dos dias de hoje, todos concluiremos que eram bem diferentes há trinta anos atrás, no visual, na força, na garra e na própria interpretação, todos os Corais que ainda temos.

O cante de hoje, na óptica da dinâmica dos seus interpretes, é pois, uma sombra daquilo que já foi.


A QUANTIDADE É UMA ILUSÃO.


Por isso, é ilusório fazermos conta ao número de Grupos inventariados e ficarmos descansados e contentes ao pensar que ainda são cento e tantos.

Na sua grande maioria, esses mesmos Grupos estão decadentes, têm poucos elementos, falta-lhes estrutura, não têm organização, não têm iniciativa, têm pouca voz, em suma, arrastam-se agarrados ao bordão da vontade de não desistirem.

Por outro lado, os grupos corais infantis que há alguns anos surgiram como uma esperança de ressurgimento do cante, pouco a pouco foram sucumbindo e deles quase nada resta.

Paralelamente os grupos corais femininos que nos últimos anos vieram dar um novo ímpeto no nosso movimento coral, reduzem-se quase todos à valia das iniciativas em si mesmas e subsistem escorados na força de vontade de meia dúzia de mulheres que teimam em não baixar os braços nem calar a sua voz.


È ALARMANTE


Perante este quadro, temos de rotular como alarmante o estado actual do Cante Alentejano e consequentemente, como eminente, a perda irreparável da fatia mais preciosa da nossa memória colectiva.

E não se trata de falso alarme o que aqui dizemos nem muito menos poderá ser uma visão pessimista da nossa realidade.

É antes a real constatação de um estado de debilidade provocada por um somatório de factores negativos e adversos que empurraram para um beco quase sem saída o nosso movimento coral, pensando no modo como sempre o perspectivámos e idealizámos.

Nunca sonhámos com um Alentejo cantado por três ou quatro bons Grupos Corais.

Sempre nos batemos pela vulgarização do gosto pelo cante de modo a que a organização, o surgimento e a manutenção de grupos corais em vilas e aldeias fizesse parte e fosse a expressão natural e saudável do nosso estar colectivo.

Mas o silêncio vai-se impondo e em sua antecipação começa a medrar o mal estar, motivado pelo desconforto que resulta da incapacidade de se cantar como sempre por cá se fez.

Uma semana vêm poucos ao ensaio e não se canta.

Na outra semana por uma razão qualquer não se ensaia.

Na outra semana discute-se e não se ensaia.

Menos, cada dia aparecem menos homens e mulheres.

O Grupo não acaba só por falta de coragem de se lhe ditar a morte efectiva, mas a tristeza senta-se todos os dias ao lado dos cantadores e desfila com eles nas arruadas, até que um dia o homem da chave deixe de ir abrir a porta e as vozes dispersem e emudeçam.


O CANTE ESTÁ ABANDONADO


Se chegámos a este estado, se perdemos a alegria de cantar, se nos faltam as forças para cadenciar no presente, a culpa reside no estado de abandono a que foi votado o cante.

Dada a sua génese rural, o seu futuro tenderia a ser difícil, numa sociedade cada vez mais urbana e onde, por razões de ordem sócio- cultural se rejeitam os estigmas ligados a situações de pobreza, de sofrimento e até de algum aviltamento vividos pelas gerações antes da nossa.

Mas após a ruptura política verificada em setenta e quatro, todos podíamos e devíamos ter crescido, do ponto de vista intelectual, pelo menos o bastante para se dissociar o cante do trabalho duro e a moda da pobreza.

Podíamos e devíamos ter assumido o cante como nosso, repositório de memórias, coração de um peito grande que é a nossa cultura.

Mas assim não foi.

Os políticos da esquerda aproveitaram-se e os de direita demarcaram-se dos Grupos. Mas nem uns nem outros inscreveram o cante na prioridade das suas preocupações.

Distribuíram as côdeas que até já vão negando, às bocas pouco exigentes dos corais.O miolo do bolo foi e continua a ser distribuído por outros folclores, com outros artistas, com mais gabarito e de maior rentabilidade nas estatísticas eleitorais.

Isto do cante, é coisa de gente pobre que não é esquisita nem reivindicativa. Se saírem de vez em quando, a passear e bebendo uns copos, não precisam de mais . E o cante, propriamente dito …que graça tem aquilo?

Por isso, os serviços sócio-culturais das Câmaras e os seus vereadores e os seus assessores, nunca perderam muito tempo idealizando soluções para retirar dos braços da morte, há muito tempo anunciada, os corais dos seus concelhos.

Relvaram-se campos de futebol, fizeram-se parques desportivos, alinhavaram-se dezenas de planos de actividade, organizam-se milhentas semanas culturais com orçamentos pesados, mas para o cante faltou sempre a vontade de intervir de molde a proporcionar aos Grupos os meios e os afectos de que eles careciam para viver.


TALVEZ JÁ SEJA TARDE


Perante este cenário, só a MODA- Associação do Cante Alentejano, poderá desenvolver iniciativas e continuar a apostar a acreditar no futuro dos Grupos Corais.

Talvez já seja tarde mas é sempre ocasião de recusar a aceitação deste estado moribundo em que o cante mergulhou.

Deve a MODA multiplicar-se em contactos com os corais, abraçando e acalentando as energias ainda disponíveis, incentivando as vontades ainda de pé, motivando os intérpretes mais arredios, imprimindo organização e qualidade a quantos existem.

Deve também a MODA projectar-se de mil modos, em busca de protagonismo, para que a sua voz possa ser ouvida e respeitada.

Tem de ganhar o estatuto de parceiro cultural, alicerçando o seu poder reivindicativo na valia do cante e, em especial, no espectro dramático daquilo que seria o Alentejo sem os seus cantares, trazendo para o seu seio todos quantos sentem e vivem esta terra na plenitude dos seus valores e como tal recusam admitir tal eventualidade.

Cabe à MODA a ultima esperança de podermos estancar uma sangria velha que conduziu os nossos Grupos a um estado de debilidade já insuportável por mais tempo.Como tal, incentivamos todos a participarem activamente neste Encontro e com firmeza cerrarem fileiras em torno da defesa intransigente do nosso património mais valioso, mas também em maior perigo de ruína – O Cante Alentejano.

extraido do site: MODA - Associação do Cante Alentejano

 

Sonho Alentejano editou às 16:36
link do post | comentar | favorito
|

Novembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Defendendo Olivença

Em defesa do português Oliventino
Olivença back to Portugal

Pesquisar no blog

 

Arquivos Recentes

Sobre o Alentejo...

De volta à juventude

Ele há coisas...

Feliz Natal e próspero An...

Função Pública...

Azinheira, a árvore que m...

Tás cos copos

Não tem preço...

5ª Festa do Barão

Participamos da greve ger...

Arquivos

Novembro 2010

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Nossos Sites
Nossos sites & Blogs
Miguel & Sylvia
Homepage de Miguel Roque
Orgulho de ser Alentejano
Liberdade cristã

Nossos Blogues
Tuga & Zuca
Filhos & Netos
Caminho de Fé
Busca primeiro o Reino
Liberdade Cristã (blog)
Viver Livremente
Alentejo Abandonado
Meu Alentejo amado
Sonho Alentejano
Povo Lusitano
Amizade, Portuga-Galiza
Aqui fala-se português
Península Ibérica
Península Ibérica-ZipNet
Republica, sim…
Independência em perigo
EU, acredito em Portugal
Portugal Ressuscitado
A Bandeira Vermelha
Bandiera Rossa
A voz do proletário
Olivença é Portuguesa
Jornal de Olivença
No meio do inimigo
Sylvinha em Portugal
Sub-blog do tapete
Vira útil
Chiquinha e nós

Nossos Grupos
Olivença é Portuguesa (msn)
Por Olivença (Orkut)
Por Olivença (Gazzag)
Viver Livremente (Yahoo)
Liberdade Cristã (Yahoo)
Liberdade Cristã (Gazzag)
Liberdade Cristã (Orkut)

Blogues amigos

Beja
Baixo Alentejo
Poeticus
Um bolíndri na tarrafa

Estou no...



Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags